hora,data

[Guarabira] -

Religio

domingo, 5 de fevereiro de 2017

Nem Freud explica


           

Meu pai nasceu anos antes da Grande Depressão.  Alfabetizou-se com o próprio pai, meu avô Epifanio, de quem não me foi dado conhecer as feições nem por fotografia, e cujo sobrenome Figueiredo não perdurou na descendência, o que me lembra o comentário de um amigo, de que existem pessoas que se gabam de ser de família tradicional, mesmo conhecendo muito pouco sua genealogia.  O certo é que meu pai ficou órfão aos doze anos, quando saiu de casa para trabalhar na portaria de um seminário na capital, tendo enfrentando muita dificuldade em sua vida. Como professor de história, ele falava sobre os efeitos da Grande Depressão no mundo e no Brasil.  Dizia que o governo queimou toneladas de café, para manter o preço da nossa principal riqueza, tentando diminuir os efeitos negativos da crise iniciada em 1929, ano em que Freud escreveu o mal-estar na civilização.
            
Na opinião daquele autor, a grande questão da humanidade é saber se a evolução cultural pode conter as perturbações da vida em sociedade, provocadas pelos instintos humanos de violência e destruição. Já naquela época, Freud observava que nós tínhamos atingido um controle tamanho das forças da natureza, que não era difícil usá-las para exterminar a humanidade. E da consciência dessa capacidade de autodestruição decorreria grande parte dos nossos medos e infelicidades.

“Freud explica” é um lugar-comum bastante utilizado no dia a dia. Foi parar até no chão de giz de Zé Ramalho. Contudo, como perspicaz mestre da suspeita, mais do que explicar, Freud pode chacoalhar pretensas certezas, que professamos como se fossem verdades de alicerces profundos, mas que não resistem aos menores abalos vindos do epicentro da razão.
            
No início do livro, ele diz ser difícil escaparmos à impressão de que as pessoas se valem de falsas medidas, buscam poder, sucesso e riqueza, e veneram quem os têm, subestimando os autênticos valores da vida. Mas em vez de procurar respostas instantâneas para as questões postas,  a abordagem é um convite para sondar a complexidade dos seres humanos, a incoerência entre  suas ideias e atos, a diversidade de seus desejos.
            
Para o autor, a busca da felicidade é um projeto irrealizável. Mais fácil é experimentar a infelicidade, com seus três lados a nos rondar: nosso corpo, condenado à velhice e morte; as forças inexoráveis e destruidoras da natureza; e as relações humanas, cujas normas de regulação têm sido precárias para garantir uma vida feliz para todos.
            
Mesmo assim, muitos buscam a felicidade por vários caminhos. No prazer imediato do tóxico, felicidade química presente no consumo de drogas lícitas e ilícitas. Ouvi de um médico que nas populações carentes cresce assustadoramente a procura por remédio controlado,  a ponto de ter ele de reservar boa parte do expediente para receitá-las, com receio da reação de pacientes. Também podemos sublimar o prazer no trabalho, na felicidade estética da fruição da arte, ou dando as costas ao mundo real para viver solitário no mundo virtual.
            
Nada disso, porém, garante felicidade que dure. Para Freud, aquilo que chamamos felicidade no sentido mais estrito vem da satisfação repentina de necessidades represadas, o que se alcança apenas no efêmero. Quando se alcança o objeto do desejo, a felicidade se torna um morno bem-estar. Nessa perspectiva, nem a experiência religiosa escapa. Marcada pelo infantilismo psíquico e delírio da massa que busca apenas bem-estar interior, esse tipo de religião não conduz à felicidade duradoura, que não pode se sustentar na alienação. Todavia, lembro que o exercício livre e honesto da razão nos induz a suspeitar também do pensamento de um mestre da suspeita, embora ele seja importante para nos tirar da zona de conforto das ilusões que tomamos por verdades.
            
Lendo o que foi escrito por Freud na época da Grande Depressão, fico imaginando o que ele diria se presenciasse o atual mal-estar de nossa civilização. O Presidente da maior potência mundial, eleito após atiçar fagulhas do discurso do ódio; seres humanos sem lar e sem pátria, buscando migalhas nos banquetes da civilização do primeiro mundo; seres humanos encarcerados, decapitando seus semelhantes, enquanto instituições e normas de um Estado que se diz democrático quedam-se impotentes para vigiar e punir com justiça.
            
Por essas e outras, às vezes me bate a tentação de desacreditar no futuro. Mas quando penso no exemplo de pessoas como meu pai e meu avô, que lutaram tentando fazer do mundo um lugar que possibilite a todos buscar seus caminhos para a felicidade, termino me convencendo de que não tenho direito de espalhar desesperança. Apesar de concordar que a fragilidade do corpo, a prepotência da natureza e a insuficiência das instituições e normas são causas de infelicidade, ainda assim penso ser possível dar um sentido a nossas vidas. E isso, data vênia, nem Freud explica.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

/