hora,data

[Guarabira] -

Religio

sábado, 30 de abril de 2016

O patrimônio dos deserdados



          Quando meu pai, em 21 de abril de 1986, completou sessenta anos, dei a ele o livro   “Assim morreu Tancredo”, com esta dedicatória:
“Papai. Faz um ano que morreu um homem que, por sua dedicação à pátria, tornou-se imortal. E hoje é aniversário de um homem que, por seu amor aos filhos, já é imortal. Feliz aniversário.”
           
O livro traz o depoimento de Antônio Britto, escolhido para Secretário de Imprensa e Divulgação do Governo, ao repórter Luís Cláudio Cunha, sobre a “dor e a agonia dos últimos 38 dias de vida do Presidente Tancredo Neves.”  Tocar aquelas folhas, com frases sublinhadas a grafite por meu pai, e uma folhinha do Sagrado Coração improvisada como marca página, leva-me a refletir sobre o legado de Tancredo Neves e a esperança da construção de uma Nova República, por tantos sonhada, inclusive por mim e por meu pai.
            
Nos anos anteriores à morte de Tancredo, tínhamos vivido a campanha das Diretas Já, com Teotônio Vilela a peregrinar pelo Brasil, espalhando a esperança e transformando sal em mel, como diz a canção.  Embalado por esse ideal, tive a honra de fazer o discurso de formatura em nome das turmas de Licenciatura de nossa Faculdade, em julho de 83. Em minha fala lembrei da realidade difícil de desemprego, desigualdade social e marginalização, e do desafio de atuarmos como professores numa sociedade em crise, sem perdermos a fé em nossos ideais.
            
Em abril do ano seguinte, em vez das Diretas, veio a frustração. Com a “Emenda Dante Oliveira” derrotada no Congresso, o jeito era deixar que o Colégio Eleitoral votasse por nós. Mesmo assim, como fruto da negociação política nos limites do que então se permitia, assistimos no ínicio de 85, à última eleição indireta de um Presidente da República que, naquele momento, representava a utopia possível e concreta. Na véspera da posse, porém, veio a notícia da doença. Depois, as seguidas cirurgias, a agonia, até a morte anunciada em 21 de abril. Era um domingo à noite, e após o Fantástico, o hino nacional, entoado por Fafá de Belém, fazia-se ouvir em todo o país, na mesma voz que embalara a peregrinação do Menestrel das Alagoas.
            
Aquele Presidente, que “fez e não viu a Nova República”, não chegou a nos governar, mas nos deixou um legado. Lembro que em janeiro de 1988, quando me foi dada, mais uma vez, a honra de falar em nome de nossa turma, desta feita na formatura de Direito, de novo me reportei à crise econômica, política, moral e institucional reinante à época. Mas como palavra de ânimo, invoquei o pensamento de Tancredo Neves, para quem “a esperança é o único patrimônio dos deserdados, e é a ela que recorrem as Nações, ao ressurgirem dos desastres históricos.”
            
Vivemos mais uma crise econômica e política, alimentada pela crise moral de alguns dirigentes da República. Um governo de coalização quebrou-se em duas bandas. Cada uma, sem a humildade e a sabedoria da autocrítica, acusa a outra de ser a banda podre, quando a corrupção estava entranhada no núcleo desse casamento político, desfeito com ares e xingamentos de um divórcio litigioso. Mãos que até ontem se afagavam, e juntas saqueavam nossas economias – afinal, corrupção não é crime que se pratique sozinho –, apedrejam-se sem medir as consequências dos seus atos para o futuro da nação.
            
Não deixemos que a crise se transforme num desastre histórico. Que ela seja tempo propício para aperfeiçoamento da República com que sonhamos. Para que desta crise possa nascer um futuro melhor para nosso povo, é preciso combater o discurso do ódio e a prática da intolerância, com os quais não se pode falar em “repactuação” ou “ponte para o futuro.” Que se respeitem as instituições democráticas, pois sem elas não há governo do povo. Que as conquistas sociais sejam não só mantidas, mas que a desigualdade social diminua, pois já se sabe que, nos últimos anos, para os pobres se tornarem menos pobres, os ricos tornaram-se ainda mais ricos. Só assim, a esperança, patrimônio dos deserdados, não será uma palavra vazia, mas a prática de uma utopia possível e concreta, a antecipação de um “dever ser” que pode se tornar realidade a cada dia, apesar da crise que o país vivencia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

/