hora,data

[Guarabira] -

Religio

sábado, 22 de fevereiro de 2014

Meu Brasil brasileiro: por um novo jeito de ser.





Adolesci e tornei-me jovem dos anos setenta para os oitenta. Cidade pequena, sem muito que fazer, inventávamos nossos divertimentos: “assustado” aos fins de semana, ao som do vinil, para dançar, solto, o hit “Pertinho de você”, de Elizângela ou, juntinho, “Et si tu n’existais pas”, de Joe Dassin;  conversas na pracinha, brincadeiras na rua. Em meio a tudo isso, a leitura era companheira inseparável. Nesse tempo, vivemos o auge do Círculo do Livro.

Negócio bem bolado entre editoras do Brasil e da Alemanha, o Círculo publicava excelentes obras em edições de boa qualidade. Recebíamos a revista com os títulos disponíveis e tínhamos a obrigação de fazer um pedido periodicamente para permanecermos sócios. E, na estante, tínhamos de Machado de Assis a Milan Kundera, com capa dura e preço acessível. Entre os livros que vez por outra folheio, ruminando o grifado de outrora, está “Recado de Primavera”, de Rubem Braga.

Gosto especialmente da crônica “o chamado Brasil brasileiro.” Lado a lado, opiniões de vultos que pensaram o país. De Capistrano de Abreu a João  d’Azevedo, sobre o jaburu, ave símbolo de nossa terra, que passa os dias “com uma perna cruzada na outra, triste, triste...”; de Paulo Prado, no seu “Retrato do Brasil”, a dizer que “numa terra radiosa vive um povo triste”, talvez marcado pela mesma tristeza deletéria, que levou Manuel Bandeira a, poetizando, tomar um porre de alegria, numa terça-feira gorda, em que ninguém se lembra de política, nem dos oito mil quilômetros de costa: “uns tomam éter, outros cocaína. Eu já tomei tristeza, hoje tomo alegria”. E a partir da conhecida frase “ou o Brasil acaba com a saúva ou a saúva, com o Brasil”, Rubem Braga constata que, em relação à praga das formigas, “não matamos. Não morremos. Convivemos.”

Apesar de começar garimpando pensamentos sobre nossa triste sina, o cronista termina contando um caso exemplar, de outro modelo de Brasil, o da solidariedade humana. Sebastiana, lavadeira pobre do morro do Cantagalo, teve o barraco invadido pela chuva, sendo razoável presumir que as águas lhe levaram quase tudo do quase nada que possuía. Contudo, em vez de se maldizer, ela descia os caminhos escorregadios com a trouxa de roupa na cabeça, e a respeito das águas da chuva, a mulher simplesmente dizia: “Mas enfim, isso é bom para a lavoura.”

Há décadas adolescido, tenho cá minhas saudades, mas não me faço saudosista.  Percebo o tempo presente – ainda muito imperfeito – como menos imperfeito que o pretérito. Se para meus filhos não temos mais “assustados” e o Círculo do Livro já não há, outros círculos se abrem às novas gerações. Nessas décadas, não só conseguimos sair da ditatura, mas reduzimos desigualdades, alargamos liberdades e muitas pessoas passaram a ter acesso a mais esferas da cidadania.

Ainda nos resta, isso é verdade, muitas pragas a combater, piores que as saúvas, enquanto não as matamos, nem morremos, mas com elas convivemos. Por isso não nego que às vezes fico meio jaburu, quando me deparo com notícias de artefato detonado por um ser humano que mata outro ser humano, seja cinegrafista no trabalho ou torcedor no estádio; justiceiro amarrando no poste um guri, seja este quem quer que seja; o crack que violenta, a violência que mata; uns e outros chafurdando no mesmo lamaçal do vale-tudo tanto o bico do tucano, que era para ser mais um bonito símbolo do Brasil, quanto as pontas da estrela, que um dia imaginei fosse alta no firmamento da ética.
  
Sei, porém, que o Brasil é mais que caciques políticos se canibalizando para não largar as garras do poder; mais que país do carnaval e futebol manipulados como ópios de um povode triste sina. Podemos, apesar de tantas imperfeições e tristezas, ser o Brasil que se constrói cotidianamente com base nos exemplos de trabalho, ética e solidariedade, como a da lavadeira do Cantagalo. É inspirado nela que a crônica de Rubem Braga se encerra com um sopro de esperança, de que “o Brasil é, principalmente, uma certa maneira de sentir”. E eu, de minha parte, diria que o Brasil, ao menos aquele com o qual sempre sonhei e espero morrer sonhando, pode ser mais  que um país de desterrados em sua própria terra, no dizer de Sérgio Buarque de Holanda; ele pode ser, Deus sabe o dia, não mais o país da violência, da corrupção e do “jeitinho”, mas de um novo jeito de viver, de conviver e de amar.

2 comentários:

Auricélia Rossana disse...

Parabéns pela inquestionável capacidade de unir o uso da lingua culta de modo tão coloquial e com tanta propriedade ao ponto de nos fazer compreender sua mensagem com tanta clareza. Parabéns por esse "seu jeito de ser" professor. O texto é simplesmente fantástico.
Auricélia Rossana

António Jesus Batalha disse...

Blog encantador,gostei do que vi e li,e desde já lhe dou os parabéns,
também agradeço por partilhar o seu saber, se achar que merece a pena visitar o Peregrino E Servo, também se achar que mereço e se o desejar faça parte dos meus amigos virtuais faça-o de maneira a que possa encontrar o seu blog,irei seguir também o seu blog.
Deixo os meus cumprimentos, e muita paz.
Sou António Batalha.

Postar um comentário

/